domingo, 28 de março de 2010



REFLEXO

Quando as minhas mãos
Deixarem de ser acesas...
Serei mais que luz.
Estarei presentemente
Dentro dos teus olhos.
E aí me servirás de espelho.
E eu me verei
E tu te verás:
nos meus olhos
e nos teus olhos...

3 comentários:

Anônimo disse...

UMA ALEGRIA PARA SEMPRE
As coisas que não conseguem ser
olvidadas continuam acontecendo.
Sentimo-las como da primeira vez,
sentimo-las fora do tempo,
nesse mundo de sempre onde as
datas não datam. Só no mundo do nunca existem lápides...
Que importa se --
depois de tudo -- tenha "ela" partido, casado, mudado, sumido, esquecido, enganado ou que quer que te haja
feito, em suma? Tiveste uma parte da sua vida que foi só tua e, esta, ela jamais a poderá passar de ti para ninguém.
Há bens inalienáveis, há certos momentos que, ao contrário do que pensas, fazem parte de sua vida presente e não do teu passado. E abrem-se no teu sorriso mesmo quando, deslembrado deles, estiveres sorrindo a outras coisas.
Ah, nem que queiras saber quanto
deves a ingrata criatura...
A thing of beauty is a joy for ever
-- disse, há cento e muitos anos,
um poeta inglês que não conseguiu morrer.
MARIO QUINTANA

UMA VOZ
Sua voz quando ela canta
me lembra um pássaro mas
não um pássaro cantando:
lembra um pássaro voando
FERREIRA GULLAR
Cito estes dois poemas de dois poetas imortais. Isso pra dizer que o teu poema é tão bom, quantos citados.Ele ritmo, imagética e sentimento... Parabéns POETA Cecília Villanova. De um fã e poeta mortal...Continue!!!

Carmem L Vilanova disse...

Oi Prima...
Tenho esta poesia no livro de poesias que voce me mandou de presente anos atras e esta sempre foi uma das minhas favoreitas... Lindo, muito lindo!
Beijos a tia Nailze hoje, dia 28 pelo aniversario dela... Muitos beijos e muitas saudades!

Rafael Castellar das Neves disse...

Um só....dois em um só...isso é bom!

Escreve muito bem, hein?

[]sss